O que achei de Dia Zero - Nina Amaral

by - 18:21



Um conto de sobrevivência e superação quando o apocalipse zumbi toma a cidade de São Paulo.


Autora: Nina Amaral
Ano: 2013
Páginas: 238
Editora: Independente







Hey pessoas! Desculpem minha ausência :( para compensar, terá mais posts essa semana :D
E nessa segunda maravilhosa, vim falar de Dia Zero, livro que já apareceu aqui, no post Coffee Book Tag, e foi incrível poder conhecer e ler essa história.
Pirei porque tem zumbis, a leitura fluiu de uma maneira rápida, nada tediosa ou cansativa, e por ser o primeiro nacional que li sobre isso.
Dia Zero conta em terceira pessoa a história de uma mulher que mora em um prédio, completamente sozinha e isolada, tentando sobreviver ao caos que o planeta se tornou, e aos mortos-vivos famintos que andam por São Paulo.
Não sabemos se foi um vírus, controle populacional ou o motivo que levou ao quase fim da humanidade, apenas que um surto de gripe estava assolando hospitais na Espanha. Foi difícil para ela entender o que estava acontecendo, já que suas semanas tinham sido passadas em total silêncio do apartamento, sem nenhum contato com o mundo exterior, nem com o marido, que estava viajando. O que a fez se agarrar na ideia de que ele estaria vivo e iria voltar, para não enlouquecer, ou desistir de tudo.

Os capítulos são marcados por dias, começando no dia 108 e com flashbacks dos dias anteriores a esse, o que me fez perguntar quando conheceria o Dia Zero e o que me esperava.

No decorrer da história conhecemos Jack, um sobrevivente, que foi salvo pela protagonista. Ela o leva para seu apartamento, deixando claro que não o quer ali no dia seguinte. E ele, na tentativa de se manter seguro, logo se mostra necessário, oferecendo ajuda para o que ela precisasse.
Por um longo tempo pensei que acabaria por ler algum romance entre os dois, e até torci para isso, bem, fui trouxa.
“Naquele momento, eram as únicas duas criaturas vivas no mundo e nada mais importava. Pela primeira vez desde que a nova ordem mundial havia sido instalada, não se sentiu completamente sozinha e aquela realização a deixou completamente aterrorizada.”
Dia 109
Toda a história me agradou, personagens que entraram e saíram, a ansiedade para conhecer o dia que deu nome ao livro, a complexidade da protagonista, e a falta de americanizar nomes, lugares, coisas e comidas (sabe o quão difícil é encontrar uma história nacional que não tenha um John, copos vermelhos e casas com cercados? Então.) o que me deixou próxima ao mundo que me era apresentado, o que deixou tudo mais verossímil, e claro, ter zumbis em SP ♥
O livro me surpreendeu com seu final e com o motivo que levou a protagonista a querer ficar isolada por dias. Com vingança, perdas, dores e mortes, Dia Zero entrou para a lista de favoritos.
“A internet ainda funcionava, mas os sites de notícia já não estavam sendo atualizados havia algumas horas. As redes sociais ainda tinham algum movimento, atualizações de pessoas procurando amigos e parentes ou buscando algum tipo de contato mas, pelo que pôde observar, apenas um ou outro recebiam algum tipo de resposta. Outros, sozinhos como ela, procuravam companheiros para fugirem em grupos. Queriam sair de São Paulo e buscar proteção no interior do Estado. Acima de tudo, as mensagens mais comuns eram fanaticamente religiosas, anúncios do fim do mundo, tragédias anunciadas por um Deus no qual a maioria sequer acreditava apenas dias antes. Ela nem se deu ao trabalho de responder. A maioria dessas pessoas provavelmente estaria morta [...] Será que todos os filmes que foram feitos não ensinaram nada a ninguém?”
Dia 18
Dia Zero foi um daqueles achados que deixam meus olhos brilhando de alegria! Ele é o primeiro de uma trilogia, sendo seguido por Hora Zero e Paciente Zero.
E se ainda não leram essa história, o que estão esperando? Bora adicionar no Skoob e comprar o eBook na Amazon ;)
E se conhecem algum livro com zumbis/mortos-vivos/errantes/walkers me deixem saber aí nos comentários!
Até mais! 


veja também:

0 comentários

Hey, seja muito bem-vindo(a)! Fique à vontade para comentar e obrigada pela visita.
Abraços!!
@quaseoutono